Casembrapa assina acordo de recuperação financeira com a ANS

Casembrapa assinou termo de compromisso (TAOEF) com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), se comprometendo adotar medidas de austeridade financeira e a recuperar, em dois anos, o equilíbrio financeiro da empresa, o que inclui a reconstituição de suas reservas financeiras. A medida tornou-se necessária frente a mais uma notificação da Agência recebida em 15 de setembro, desta vez, instaurando uma Direção Fiscal da ANS na Operadora.

A Casembrapa vem sendo notificada, anualmente, desde setembro de 2011 pela ANS, já que desde aquele ano, já se apontavam as dificuldades financeiras porque passava a Operadora.

As notificações da ANS têm sido comunicadas aos Conselhos de Administração e Fiscal, como também ao Sindicato dos Empregados (SINPAF), e divulgadas amplamente aos associados, por meio das videoconferências realizadas e News publicadas desde 2013.

A situação no segundo trimestre deste ano (abril, maio e junho) se agravou pelo fato de a Casembrapa – em razão da crise financeira amplamente anunciada – deixar de cumprir os pagamentos em dia com os prestadores. O resultado negativo do trimestre chegou à ANS por meio do Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde – (DIOPS) que é trimestralmente enviado à agência reguladora.

A demora da definição do reajuste das contribuições, por conta da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho da Embrapa, levou a Casembrapa a novamente ser notificada pela ANS, em junho. Imediatamente, a Operadora respondeu à Agência relatando a decisão de reajuste a ser aplicado a partir de julho, mas com cobrança retroativa a maio, e a gradual recuperação financeira prevista para o segundo semestre. Entretanto, embora as explicações, a ANS tomou como base o relatório anterior e decretou a instituição de uma direção fiscal para conduzir a gestão da Casembrapa nos próximos meses.

A fim de evitar essa “interdição”, a presidente e o diretor financeiro da Casembrapa, acompanhados da advogada Virgínia Rodarte, reuniram-se com a ANS, no Rio de Janeiro no dia 8 de outubro. A proposta era apresentar informações financeiras atualizadas e comprovar a retomada do equilíbrio das contas, como o pagamento de todos os fornecedores e evitar a instalação da Direção fiscal. Durante a reunião, a Casembrapa explicou que o impacto do reajuste das contribuições só será percebido na prestação de contas do quarto trimestre do ano (outubro, novembro e dezembro).

Diante das justificativas, a ANS solicitou a documentação atuarial que demonstre as informações financeiras atualizadas e a previsão de quando a Operadora retomará seu equilíbrio financeiro.

A pedido da Casembrapa, a ANS deverá avaliar – a partir do novo cenário – se mantém ou suspende a instituição da Direção Fiscal sobre a operadora.

 

“Ficou visível que a assinatura do TAOEF, seguida dos esclarecimentos, abre a possibilidade de uma interrupção da decisão da ANS. Mas temos de enviar as informações e aguardar a resposta”, ressalta Júlio Pereira, diretor financeiro da Casembrapa.

 

Compromisso

A Casembrapa deverá mais ainda, a partir de agora, intensificar as ações de redução de custos e racionalização do uso do PAM. A ANS destacou a necessidade de se rever o modelo de custeio do Plano de forma a torná-lo sustentável perante a inflação elevada da área médica. Na oportunidade, a presidente Sonisley Machado informou que já foi iniciado o processo de elaboração de um novo modelo.

A ANS também aprovou a estratégia de comunicação transparente adotada pela Operadora, que tem levado permanentemente informações atualizadas da situação financeira da Casembrapa aos associados, para que eles se conscientizem da sua parcela de responsabilidade no processo. Para a presidente da Operadora, Sonisley Machado, este é um momento delicado.

 

“Levamos à ANS os relatórios financeiros atualizados e demonstramos o nosso empenho em salvar a Casembrapa, entretanto, essa é uma luta de todos nós, associados e patrocinadora”.

 

O que é a Direção Fiscal?

Medida preventiva que a ANS instaura para acompanhar a recuperação financeira das operadoras de saúde de médio e pequeno porte. Veja detalhes na RESOLUÇÃO NORMATIVA – RN Nº 316, de 30 de novembro de 2012

O que é TAOEF?

Termo de Assunção de Obrigações Econômico-Financeiras com vigência de 24 meses que visa a correção gradual das anormalidades econômico-financeiras detectadas no funcionamento de operadoras de planos de assistência à saúde de médio e pequeno porte. Veja detalhes na RESOLUÇÃO NORMATIVA – RN Nº 307, DE 22 DE OUTUBRO DE 2012

O que é DIOPS?

O Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde – DIOPS/ANS foi instituído com a finalidade de coletar informações cadastrais e financeiras para o acompanhamento das operadoras no que tange a saúde econômico-financeira e a manutenção dos dados cadastrais.

Melhorias no processo de autorização prévia

Casembrapa analisou e reduziu o rol de procedimentos médicos que necessitam de autorização prévia. A iniciativa é uma resposta à insatisfação e reclamações dos usuários do Plano, quanto ao processo de autorização e tem o objetivo de melhorar a prestação de serviços da Operadora. Essa resolução se aplica somente à rede credenciada própria da Casembrapa. No caso das redes de reciprocidade (CASSI e UNIMED), que possuem seus próprios critérios para a geração de autorizações, já previsto em contrato, esse procedimento seguirá o modelo de cada rede.

O horário de atendimento do setor de autorização mudou.
O setor passa a funcionar das 7h às 18h.

Em outubro a Casembrapa iniciará a implantação da autorização eletrônica. O sistema vai, primeiramente, verificar se o associado está com seus pagamentos em dia junto à Operadora, antes de liberar a realização de exames e consultas. Aqueles procedimentos que não necessitam de autorização prévia não necessitam de solicitação, os demais terão seus pedidos analisados e autorizados via comunicação eletrônica entre a operadora e o credenciado.

 

Você sabia?

O pedido de autorização de procedimentos médico-hospitalares deve ser feito diretamente pelo prestador de serviços à Casembrapa, sem a necessidade de intervenção do segurado.

Mudanças na Cobrança da Casembrapa

A Casembrapa contratou a empresa EMCO para efetuar as cobranças das mensalidades, do patronal e dos parcelamentos que estiverem em atraso de mais de 10 dias. A partir de agora, a cobrança e a negociação dos débitos não mais ficarão sob a responsabilidade do Setor de cobrança da Casembrapa, que conta hoje com apenas quatro empregados.

Também está contratando a Sicoob Agroambiental (Crediembrapa) para que a Cooperativa de Crédito passe a confeccionar os boletos e fazer o acompanhamento da cobrança, emitindo lembretes via SMS para os associados.

Aqueles associados que não procuraram a Casembrapa durante o período de negociações, encerrado em 10 de setembro, bem como aqueles que não estão pagando em dia as parcelas negociadas passarão a ser cobrados extrajudicialmente.

Com essas ferramentas, a Casembrapa espera evitar o aumento da inadimplência, hoje em torno de 20%, o que equilibrar o movimento contínuo de estabilização econômico-financeira e recomposição das reservas.

Casembrapa anuncia saldo positivo da negociação de débitos

O programa de Recuperação de Débitos, lançado em outubro de 2013 pela Casembrapa, abriu no período de 05 de maio a 10 de setembro, a ampla negociação dos débitos com a Casembrapa. Com essa medida pode-se reduzir o percentual de associados devedores de 57% para 15% e repactuar cerca de R$ 5 milhões dos quase R$ 8 milhões em dívidas acumuladas entre 2009 e 2014 (dados atualizados em 10/09/14).

“A negociação, foi um grande avanço no sentido de recuperarmos um passivo importante e colocarmos boa parte dos devedores em situação regular” Sonisley Machado.

Apesar de comemorar a redução do débito com a Casembrapa, a presidente alerta para que o participante não deixe de pagar as parcelas negociadas, pois a partir de agora, aqueles que não efetuarem os pagamentos das parcelas e os que não aderiram ao Programa receberão uma comunicação de exclusão do Plano.

“A adesão maciça ao Programa resulta da estratégia de comunicação que adotamos, a transparência das informações, a precisão dos dados levantados e a colaboração dos representantes Casembrapa, que vestiram a camisa em favor do associado e da instituição Casembrapa, assim como o entendimento dos associados sobre como era importante regularizar sua situação perante a Operadora”, destacou Sonisley. Esse esforço também contou com a dedicação, coragem e comprometimento das 4 pessoas que trabalham no setor de Cobrança. 

ANS autoriza cobertura de mais procedimentos de saúde

Desde o início de janeiro, um novo rol de procedimentos de saúde entrou em vigor e a Casembrapa já está trabalhando no sentido de atender aos associados. A cada dois anos a ANS publica um novo documento, ampliando as coberturas.

Casembrapa implanta ouvidoria

A partir de 13 de janeiro, a Casembrapa disponibilizará um novo canal de comunicação com o associado: a Ouvidoria. O objetivo é dar maior fluidez às necessidades do usuário, recebendo sugestões, críticas, dúvidas quanto ao uso do Plano, bem como elogios.

A Ouvidoria buscará, primeiramente, solucionar conflitos a respeito dos serviços prestados, por meio do acolhimento e tratamento de suas manifestações, da triagem das solicitações e, quando necessário, o encaminhamento às diferentes áreas de atendimento.

O novo canal funcionará pelos seguintes meios:

e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
telefone: (61) 3448-4828
site: www.casembrapa.org.br/ouvidoria