5 de dezembro: Dia da Acessibilidade

Ir e vir é um direito de todos. Acessibilidade também.

Tamanho da fonte
+

O mês de dezembro é marcado por diversas datas que chamam a atenção para a inclusão da pessoa com deficiência. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 1 bilhão de pessoas têm algum tipo de deficiência no mundo – o que representa praticamente 1 em cada 7 indivíduos.

As estatísticas mostram que os países em desenvolvimento são os que mais possuem pessoas nessas condições – cerca de 800 mil. No Brasil, são 24% da população, ou cerca de 45 milhões, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os tipos de deficiência podem ser agrupados em cinco categorias: visual, auditiva, motora e mental. A relativa à visão é a mais comum, afetando 18,6% dos brasileiros, segundo o Ministério da Saúde. Em seguida aparecem a motora (7%), a auditiva (5,1%) e a mental (1,4%).

Uma das datas que chama a atenção para a necessidade de inclusão é o “Dia Mundial das Pessoas com Deficiência”, comemorado dia 3 de dezembro. A ideia é incentivar a reflexão e a prática dos melhores métodos para garantir qualidade de vida e dignidade a esse grupo e alertar a população sobre os assuntos relacionados a este tema.

O calendário prossegue com o “Dia da Acessibilidade”, comemorado dia 5. O 9 de dezembro lembra o “Dia da Criança Defeituosa”, e o dia 13 celebra o “Dia do Cego”.

Mais lidas

Dia do Trabalhador

Com dedicação, motivação, visão e diálogo em equipe, 
podemos transformar o ambiente de trabalho.

Novo Portal Casembrapa

O Portal Casembrapa está de cara nova. Agora está mais fácil entender tudo que a Casembrapa tem a oferecer à você.

Aposentadoria

Você que está prestes a se aposentar tem direito de continuar no Plano de Saúde da Casembrapa. Veja o que é preciso fazer para permanecer com associado.

Veja entrevista sobre 'Doenças Cardiovasculares'

‘É preciso se apropriar da saúde; a garantia de saúde está dentro de nós’

Adotar hábitos saudáveis o quanto antes previne doenças cardiovasculares e impede gastos e tratamentos invasivos, afirma a médica Rita Vilanova

As ‘fake news’ e os riscos à saúde

Notícias falsas são coisa séria e podem representar perigo à saúde; saiba o que fazer para não compartilhar nem confiar em conteúdo enganoso