27/06/18 - 09:01

Julho Amarelo – mês de combate às Hepatites Virais

                                                                                                             Imagem: M. da Saúde/reprodução

Por: Comunicação / Casembrapa

Diagnóstico precoce é determinante para evitar a transmissão ou a evolução da doença e suas consequências

As Hepatites Virais são enfermidades silenciosas que atacam as células do fígado e comprometem o seu funcionamento, e o chamado “Julho Amarelo” foi o período escolhido pelo Ministério da Saúde para conscientizar a população sobre a importância da prevenção da doença.

No dia 28 de julho é celebrado o Dia Mundial do Combate às Hepatites Virais, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta para a importância do diagnóstico precoce das hepatites, que pode ser determinante para evitar a transmissão ou a evolução da doença e suas consequências.

De acordo com a Associação Brasileira dos Portadores de Hepatite (ABPH), “muitas pessoas só percebem que estão doentes quando a doença já está em estágio avançado, com ocorrências avançadas de cirrose ou câncer de fígado”, alerta o site da instituição.

Grupos de hepatites virais

A hepatite do tipo A acomete, em maior escala, as crianças, e ocorre maneira branda e sem sintomas. A transmissão ocorre por meio de água e alimentos contaminados.

A hepatite B é o tipo mais comum. O contágio ocorre pela relação sexual sem preservativos ou pelo sangue e por meio do compartilhamento de agulhas, por exemplo.

Transmitida de forma semelhante ao tipo B, ainda não vacinas para a patologia C.

Já a hepatite D, também chamada de hepatite Delta, depende da presença do vírus da hepatite B para replicar e causar a doença. Caso não seja tratado, poderá resultar em hepatite fulminante, que é uma inflamação grave no fígado que pode provocar a morte da pessoa.

A hepatite E é transmitida através da ingestão de água ou alimentos contaminados ou contato com fezes e urina de pessoas contaminadas com o vírus. A hepatite F é considerada um subgrupo da hepatite C. Esse tipo de hepatite foi verificado em macacos em laboratório, mas não há relato de pessoas infectadas com esse vírus.

O vírus da hepatite G, frequentemente, encontra-se em indivíduos diagnosticados com hepatite B, hepatite C ou HIV. Esse vírus pode ser transmitido através de relações sem preservativo, transfusão sanguínea ou da mãe para o filho através do parto normal.

Comente sobre o assunto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *